terça-feira, 25 de novembro de 2008

De Rio Gallegos a Ushuaia



O dia antes do embarque para o fim do mundo

Nesta viagem há locais que funcionam como "malaposta" porque realmente o país é longo.

Eu aproveito para pôr umas leituras em dia.

Segue carta do João para os "miúdos", com uma "mirada" (como aqui se diz) diferente sobre a realidade que aqui nos rodeia, ou não fora ele um matemático (e não um cientista social) !


"Estamos em Rio Gallegos (na Argentina lê-se Gachegos).

Terra sem nada que se lhe diga.

Estamos na Primavera e andamos de camisola e casacao.

As ruas perpendiculares, como em toda a américa latina, sao de sentido único, como em toda a américa latina. As casa de um ou dois pisos. A vida calma. Algum asseio, algum comércio. Locutórios e internets fáceis de encontrar.
A vida é mais cara do que em Buenos Aires tal como já vinhamos constatando por toda a Patagónia.
Ontem fizemos mais uma travessia da Patagónia de Ocidente para Oriente.

Viemos dos Andes até ao Oceano Atlântico. O que mais nos impressiona neste imenso deserto patagónico sao os trabalhos de infra-estrutura realizados por este povo. Nos trezentos quilómetros desde El Calafate, encontramos um único povoado: Esperanza. Um posto de combustível, um restaurante, um quiosque e mais meia dúzia de casas. Além deste, vimos umas poucas dezenas de estâncias. O nome pomposo indica um grupo de duas a quatro casas de habitaçao de reduzida dimensao acompanhadas de um ou dois barracoes. E para esta reduzida populaçao, há que lançar estrada, abastecimento de electricidade, conduta de gás, correios e telefones. Tudo isto só pode sair caríssimo per capita. Mas está tudo em bom estado. As estradas estao em bom estado e vê-se que sao mantidas, A conduta de gás está enterrada.
Nas cidades por onde passamos, nao se vêm luxos. Mas vêm-se todas as infraestruturas básicas em bom funcionamento. As falhas do sistema, como ontem aqui aconteceu durante uma hora com o servidor da rede, fazem-nos ver que, durante todo o resto do tempo, o seu funcionamento nao nos deu problemas. Nem nos tinhamos lembrado que podia falhar.
Estamos satisfeitos com a Argentina.
Hoje seguimos para Ushuaia, quase no fim do mundo, para embarque amanha, para um fim de semana, mesmo para o fim do mundo.
beijos
( de um cybercafé, sem acentos nem cedilhas)



Leituras e reflexões : O Ensino Universitário


A minha leitura desta vez é o livro sobre a Formação de Psicólogos aqui "nas Americas", que me deu o Marcelo Urra de ARCE de Santiago do Chile.

" Problemas Centrales para a formación académica y el entrenamiento profesional del psicólogo en las Americas"

Foi publicado pela Sociedade Interamericana de Psicologia de que o Marcelo Urra é o actual presidente.

Inclui capitulos sobre a situação na Argentina, na Bolivia, no Brasil, no Chile, na Colombia, nos Estados Unidos, em Puerto Rico e na Venuzuela
Aproveito para incluir em "Interessante no Brasil, mais uns links úteis.

Outro especial foco para o capítulo de Amalio Blanco, da Universidade Autónoma de Madrid "Proyecto para la armonización de los curricula de psicologia en las universidade latinoamericanas".

Sugeriu-me várias considerações:

Em Janeiro de 1994 a Conferência Ministerial da União Europeia encarregou a Organização de Estados Iberoamericanos para a Educação, Ciência e Cultura (OIE) da elaboração de um projecto de harmonização dos curricula das Universidades Latinoamericanas para " a melhoria da qualidade da educação universitária actuando sobre os conteúdos e adequando-os à nova situação socioeconómica e aos requerimentos da competitividade internacional".
Formaram-se dois grupos de especialistas: Ciências Básicas e Engenheria e Ciencias Sociais.

Na área da Psicologia utilizou-se um método Delphi que básicamente é uma metodologia de trabalho em grupo em que pouco a pouco se vão conseguindo sistematizar consensos e limando divergencias de opinião não fracturantes e identificando opinioes fracturantes no grupo de participantes.

Participaram 66 especialistas, 16 da União Europeia, 18 espanhois, 18 de Centro-America e Caraibe e 18 do Sul da America do Sul (não consegui apurar se haveria algum português).
A importância deste trabalho tem a ver com a consolidação das convergências e a identificação e análise das divergências em temas como a estrutura curricular, o perfil do candidato a futuro psicólogo e as saidas profissionais.
O interessante neste processo é que inclui, toma em conta e debate opiniões de 66 especialistas, representativos das zonas geográficas.

Pois é ! Não se pode debater estruturas curriculares, perfis de candidatos e saídas profissionais, a partir de um grupo "incestuoso" de profissionais de uma única faculdade que, não tendo massa crítica nem contenção da sociedade científica "externa", podem divagar sem controlo nem qualidade sobre "quem", "deve aprender o quê", "para fazer o què?", "para quem?".
A questão, claro, é "para quê?"
Um grupo "familiar" que se reune "em privado" para deliberar o "produto" que vai propôr, num processo "autofágico" que não admite confronto com ideias externas, perde tempo e manda dinheiro pela janela.
O que saí dali é sem dúvida um produto caseiro para consumo doméstico, sem controlo de qualidade.

No caso em que a faculdade é privada, até pode parecer tratar-se de uma estratégia "manhosa" para obter dinheiro dos alunos e das famílias.
No caso em que a faculdade é pública, até pode parecer tratar-se de uma aplicação "selvagem" do dinheiro dos contribuintes.
Fica aqui um bom exemplo de trabalho sério!

1 comentário:

Marcelo Urra disse...

Estimada Margarida:
Que interesante tu comentario sobre el trabajo de Amalio Blanco sobre el proyecto Alpha de normalización de la curricula en Psicología en Lationamérica como un esfuerzo de integración y reconocimiento del carácter internacional que le es propio por su condición de ciencia, al mismo tiempo que local respecto de sus aplicaciones.
Espero que podamos tener posibilidad de integrar tambien el trabajo en formación en Psicología en Portugal. La Sociedad Interamericana de Psicología ha abierto este foro, que no es el único pero que ha sido fructífero.
Saludos!