terça-feira, 30 de setembro de 2008

De Cochabamba a La Paz

Sete horas de espera no aeroporto de Cochabamba. A companhia Aerosur, resolveu fazer manutenção dos seus 2 aviões no mesmo dia e, para ficar mais em conta, levar os passageiros todos juntos pela noitinha, e sem bagagem para o avião conseguir aterrar lá no alto.


Estamos em La Paz.
Visão fantástica: estamos no fundo de uma concha e a toda a volta se erguem montanhas.
Aqui no fundo da concha tem prédios altos, bonitos alguns, ruas cheias de movimento. Ao longe todas as montanhas estão cheias de construções de que não enchergamos os pormenores.
Desde o aeroporto até aqui, foi sempre a descer. Alguns 30 a 40 quilómetros. Lá, à volta do aeroporto, há a outra cidade: o El Alto. Que de resto também é o nome do aeroporto.

Para o " mal das alturas" dão chá de coca. Um logo à chegada, outro aos pequenos almoços. Diz a embalagem (saquinho de chá para pôr em água quente) que é bom para a digestão e que dá melhor oxigenação ao sangue, combatendo o mal das alturas. O alcaloíde está ausente contrariamente ao que se pensa e aqui é bebida dada, inclusivé a crianças, grávidas e idosos.

A vinda de Cochabamba foi a segunda aventura com os transportes. O avião, marcado para as duas da tarde, atrasou e atrasou...e atrasou....7 horas.
Partiu às 11 da noite para uma viagem que durava meia hora.
Nessa altura não trouxe as bagagens. Ainda estamos à sua espera. O avião trouxe os passageiros de dois voos e por isso não podia trazer as bagagens.
A aterragem em La Paz tem que ser feita com carga reduzida devido à altitude.

Deste modo, nós, que estavamos preparados para uma entrada em La Paz com os 15 graus do meio da tarde, aterramos no vigor de uns magnificos 3 grauzitos, com uma camisolita fina para cada um. Mas dada a secura do ar, até nem se sentia muito frio.

De manhã, fui trabalhar com a roupita que ontem trazia. E era a conferencista de abertura do congresso que aqui começa hoje.
Como a viagem de avião era de meia hora despachamos a bagagem toda. Por sorte tinha a "pen" no bolso.


sábado, 27 de setembro de 2008

De Cochabamba a Cochabamba







Voo calmo para S Cruz de la Sierra. A única nota estranha foi a quantidade de elementos de militares e forças policiais no aeroporto, natural se recordarmos que o aeroporto de S.Cruz esteve ocupado pelos opositores de Evo Morales até há dias.

Cochabamba fica a 2600 metros, num planalto no meio das cordilheiras. É uma cidade cheia de gente na rua, com uma praça tipo das Espanholas, Praça 14 de Setembro, com arcadas à volta, vendedores e passeantes.
Aqui há pequenos comícios pela parte central, com pessoas (lideres comunitários) que animam o debate sobre a situação política no País.
No centro da praça um painel para “Notícias” com textos policopiados em bom estilo do nosso 25 Abril “operários e camponeses unidos …”. Para além das queixas em relação aos governadores da "meia lua" (a parte Oriental da Bolivia), juntam-se as queixas sobre a actuação da administração Bush face à Bolívia.
Anuncia-se uma evento de música de intervenção com letras e música de Victor Jara, Pablo Milanez...
Pedem-se voluntários nacionais e internacionais para trabalhos de alfabetização, cuidados de saúde, animação cultural, desenvolvimento agricola e ecoturismo...
Numa esquina da Praça 14 de Setembro, no Salón Gildaro Antezana uma exposição com quadros do pintor Fredy Escobar Vega. Gostámos do estilo, muito especial, retratos a óleo e acrílico sobre tela, mas à maneira de desenho, com riscos coloridos, sobrepostos, a finalizar. Reproduzimos aqui um deles, o retrato de Evo Morales com Fidel de Castro. Fica também o endereço email do autor (ferediescobar@gmail.com).
Falámos com o artista, um cidadão Boliviano, culto e implicado politicamente. Tem uma colecção de retratos de Evo, que ele admira e adora retratar.

A vida tem aqui um custo quase impensável, o que remete para muitas reflexões.
Digamos que os preços têm o mesmo valor que em Portugal mas o Bolivano vale 1/10 do euro.
Esta diferença é de compreensão óbvia para produtos locais, mas já custa entender como é que esta diferença também acontece para alguns produtos de marcas internacionais. Temos viajado para todo o mundo mas nunca tinhamos visto uma diferença tão grande no custo de vida.
No entanto, se muitas pessoas aqui são pobres, não parece que haja tanta miséria nas ruas como vimos por exemplo em Asunción (e noutras metrópoles pelo mundo).
Há ainda uma grande preocupação pela Saúde e pela Educação.
Veja-se a propósito da prevenção da maternidade não desejada: educação sexual nas escolas, planeamento familiar nos centros de saúde, nos centros da juventude e nos centros comunitários.
(Quem me dá notícias actuais de Portugal? as coisas estão a correr conforme previsto?)
Falámos com um vendedor de DVDs bolivianos que, para nos ajudar a decidir quais comprar, nos contou a história dos filmes, comentou a relevância do enredo, com uma profundidade verdadeiramente insuspeitada para um jovem vendedor na rua. Foi um espanto parecido com o que tivemos há anos em Cuba, esta a sabedoria do cidadão comum em assuntos relacionados com a cultura.

Quanto à situação política, soubemos por um jornal local que uma delegação de 20 Parlamentares da EU chega a La Paz, tal como nós, amanhã, para investigar o massacre de Pando e o conflito dos governadores da "meia lua" face ao Governo.

Sempre chegaremos a La Paz a tempo do congresso! Pela ligeira dor de cabeça de hoje (2600 metros), é dificil imaginar o estado em que vamos chegar a La Paz, a 4000 metros...

De Asunción a Cochabamba


Chegada a
Cochabamba
de avião



A equipa feminina Paraguaia de futebol de salão viajou connosco até S. Cruz, em transito para Madrid... com uma grande claque à despedida no aeroporto. No chão o tal recipiente para teréré que muitos Paraguayos carregam para ir bebendo.








Bus em Asunción (os de Cochabamba são parecidos), cor e criatividade, e apenas anunciam o seu destino.

De Asunción a Asunción V

Objectivos do Milénio para o Desenvolvimento

Dia 25 de Setembro os lideres da política mundial reuniram-se na sede da ONU em Nova Iorque, para avaliar a evolução dos Objectivos do Milénio para o Desenvolvimento (OMD).
A próxima meta, 2015, deverá trazer consigo a redução para metade da pobreza a nível mundial, acabar com a fome em Africa, o controlo da malária e VIH/SIDA, a educação universal, a melhoria da saúde materno-infantil (…). Fica aqui um incentivo forte e um dos desafios de Fernando Lugo.


De Asunción a Asunción IV





















sexta-feira, 26 de setembro de 2008

De Asunción a Asunción III

A Catarina faz hoje anos.
Vamos fazer uma festa!
Parabéns!

De Asunción a Asunción II





Com a Bettina Cuevas na Universidade Americana












Com o Osvaldo Olivera e Eduardo Cáceres na Universidade Católica












Uma das 35 Tapas ( ABC Color) que marcarón época - a morte de "el Che".


















Outra das 35 Tapas ( do ABC Color) que marcarón época- a morte de Erico














Surpresas em Asunción

A viagem Campo Grande-Asunción foi um pavor!!
Uma agência terrível (a Nacional Expresso) a querer deixar-nos na fronteira e a deixar-nos 3 horas à espera de uma partida confusa (isto tudo às 5h da manhã), depois... 15 horas sem comer…um desconforto a evitar!

O Paraguai ficou no nosso caminho incidentalmente, 3 dias não previstos, sem expectativas.
Uma boa altura para adiantar a escrita do livro e preparar as apresentações para a Bolívia.
Para ler uns artigos e dar uma olhada nos “resumões” que comprei no Brasil.
Os “resumões” são uma espécie de “sebentas”, versão moderna plastificada. Comprei os de verbos e gramática espanhola (veremos se são úteis, mais o CD Spanish in 30 days que me deu a Catarina nos meus anos). Por graça comprei também o “resumão” de Psicopatologia e fiquei a pensar no jeitão que aquilo daria aos alunos “do 10”… (nem pensar!)

O Paraguai foi um país próspero no inicio do sec XIX que tem tido várias vicissitudes históricas pouco conhecidas pelo geral dos Portugueses, duas ditaduras e entre estas, duas guerras devastadoras. A populaçao tem origem guarani e falam em geral as duas linguas: espanhol e guarani, uma língua muito tónica, que os imigrantes chineses aprendem com facilidade.
Este ano o País põe expectativas no recém eleito Fernando Lugo, Bispo, socialista. Apenas tomou posse este 20 Agosto e ainda não há frutos!
Das duas ditaduras fica o fecho histórico da população ao exterior (também aconteceu em Portugal).
Das duas guerras fica algum ressentimento em relação aos vizinhos Argentina, Uruguai, Brasil e mais recentemente Bolívia, e uma razia na populaçao sobretudo jovens e homens. A longínqua independência face à Espanha foi pacífica e laços de amizade perduram.

Ontem visitamos a parte antiga, que surpreende pela favela ( vila miséria ), mesmo no centro da cidade, entre o centro e o rio, ao lado de um museu (Cabildo), do Palácio do Congresso (“é o estilo latino-americano, os ricos e os pobres partilham o mesmo espaço, embora sejam dois mundos”). Os indios locais vendem por ali artesanao a preços dificeis de calcular. O Guarani, a moeda local conta-se aos milhares.

Tivemos uma sucessão de felizes ocorrências.
Está a decorrer a semana internacional de teatro, em homenagem a Tito Jara Roman, organizada pelo CEPATE (Centro Paraguayo de Teatro). Vimos o KYRE’Y, um misto de artes circenses, música popular, mímica, comédia… foi uma delícia a interacção com o público.
Está também a decorrer o 17º Festival internacional CINE, embora não tivéssemos conseguido assistir, vimos a quantidade de cinema e teatro experimental que por cá se faz (Brasil, Bolívia, Argentina, Colômbia, México, Paraguay).

Outra sorte foi ter comprado ontem numa livraria uma brochura de uma colega local sobre projectos educativos. Vinha com um email para onde eu escrevi e então, hoje, tivemos o Dr Osvaldo Olivera (Osvaldo Olivera), designer da Universidade Americana, e editor do tal livro sobre projectos educativos, que nos levou em visita à Universidade Americana ( Universidade Americana) e à Universidade Católica ( Universidade Católica).

Na Universidade Americana falámos com o Sr. Reitor Prof Andrès Benko e com a Directora do Departamento de Psicologia Prof Bettina Cuevas. Para além da graduação em Psicologia têm cá dois cursos de Pòs-Graduação, um em Princípios e Técnicas Cognitivo-Condutales e outro em Logoterapia y Analisis Existencial. O Departamento de Psicologia pertence à Faculdade de Ciências de la Salud, junto com a Enfermagem, a Psicopedagogia, a Intervenção Materno-Infantil, a fisioterapia (com especialidade em Fisioterapia Desportiva) e a Nutrição.
Conheci uma nova publicação espanhola Psicopatologia Y Salud Mental (Psicopatologia y Salud Mental) e a revista mensal da própria Universidade “American News”

O Dr Osvaldo Olivera trabalha na Faculdade de Comunicacion, Artes y Ciências de la Tecnologia e trouxe-nos um projecto de design, por ocasião dos 40 anos de um jornal nacional (ABC color, o primeiro jornal a cores, há 40 anos), umas pranchas com as 35 primeiras páginas desse jornal que referem acontecimentos que mudaram a história (35 tapas que marcaron epoca). Belíssimas as pranchas e aqui fica, com autorização respectiva uma cópia da manchete onde anunciara, em 1967 a morte de Che Guevara, e outra em memória a um idolo esportivo local- Erico.

Na Universidade Católica falámos com o Prof Eduardo Cáceres. De salientar que esta Universidade fornece um diploma doutoral em "Intervenção Psicossocial com populações em risco" … Riscos por aqui: pobreza, iliteracia, consumo de substâncias.

Entramos mais dentro da história e Cultura do Paraguai com o Osvaldo e a mulher Marian.
Foi muito interessante ouvir falar de outras formas de intervenção comunitária a partir de outras áreas do conhecimento, o Osvaldo (que aliás fala um português óptimo), tem projectos de design comunitário com os alunos da Universidade – ajudar a população a “ler” as tabuletas nas ruas, e ainda outro mais antigo de estudar os pictogramas das populações indígenas do Rio Paraguay, a Marian, bailarina e professora de dança clássica tem também um grupo de danças tradicionais Paraguaias.


Gastronomia –
Parrillada, Surubi ( peixe), Chipa ( pão com queijo), Choclo fresco (milho), Sopa Paraguaia (bolo de farinha de milho com queijo), Pie de lemon, Teréré ( Chá frio de mate equivalente ao Chimarrão brasileiro, mas frio).

E estamos a sair para a Bolivia... todos os jornais anunciaram que há tréguas até 16 de Outubro.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

de Asunción a Asunción

A Sónia é da equipa Aventura Social e faz hoje anos.

Mandaram-me uma foto muito pesada, mas aqui fica em vez, o album do seu recente casamento


SONIA E VITOR


Parabéns!

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Do Pantanal a Asunción

Sociedade Portuguesa de Saúde e Comportamento
[saudecomportamento@iep.uminho.pt]

A Sociedade Portuguesa de Saúde e Comportamento (SPSC) tem sido desde os últimos anos uma Emerging Society da International Society of Behavioral Medicine (ISBM - com sítio na Internet em: International Society of Behavioral Medicine).

No dia 25 de Agosto de 2008, durante o Governing Council da ISBM, que decorreu em Tóquio - Japão, a SPSC foi aceite, por unanimidade, como full member da ISBM.

Isto significa que a SPSC é agora umas das 25 Sociedades na área do Behavioral Medicine que compõe a Sociedade Internacional – ISBM.

Na sequência do encontro Ibérico que decorreu o ano passado em Madrid , estamos a organizar o “I Congresso de Saúde e Comportamento dos Países de Língua Portuguesa”, que decorrerá na Universidade do Minho nos dias 16, 17 e 18 de Abril de 2009, e que tem como comissão organizadora: Ângela Maia, Graça Pereira, Margarida Gaspar de Matos, Teresa Freire, Eugénia Fernandes, Anabela Pereira, Susana Silva, Ana Elias.

Um abraço amigo

Pela Sociedade Portuguesa,

Ângela Maia

domingo, 21 de setembro de 2008

Do Pantanal ao Pantanal

















Ema-macho a servir de "ama-seca", aos 18 filhotes de diversas emas-femêa suas amigas.


















Guaratirica na noite do Pantanal!

Natureza fora de horas
Estamos com o relógio biológico todo alterado: acordar pelas 5 horas (da manhã pois!) já a ouvir passarinhos, tomar o café da manhã (aqui “quebra-torto”) pelas 6h, almoçar às 12h, jantar às 18h, deitar às 22h… parece que estamos sempre no contra-tempo… este blog também deve ter o relógio desregulado porque regista datas incorrectas... mas enfim, mantêm a sequência.

A quinta de S. Francisco no Pantanal (Fazenda San Francisco), foi iniciada no principio do século XX por Laucidio Coelho, que tem actualmente numerosa descendência. Conhecemos as bisnetas Carol e Roberta. A quinta tem 15000 hectares, 4000 ha de plantação de arroz (ai os nossos “enormes” campos no Mondego…), 7000 ha de reserva ecológica e 4000 ha de gado.


Na quinta têm vários projectos de preservação de espécies em via de extinção, entre os quais a onça pintada, e muito gosto pela natureza.

À noite fomos numa exploração-focagem com um casal de Ucranianos e duas jovens Portuguesas que vinham numa missão de exploração do potencial turístico para uma agência de viagens em Lisboa. Um grupo bem agradável e consentâneo com o ambiente: lobinho-guárá, capivara (muitas), guaratirica (tipo onça, uma visão parece que rara), cervo pantaneiro, guaxinin, jacaré, coruja buraqueira, tamanduá bandeira, anta.


Foi excelente apesar do frio (há frio no Pantanal 15 dias por ano, e foi ontem…)

Hoje um chilrear de passarinhos vários e papagaios (há 351 espécies de aves aqui) acordou-nos às 5 horas, uma delícia (?)…
E lá fomos em mais uma expedição de manhãzinha, com o bravo Jonas (autodidacta local) a instruir-nos sobre a bicheza que acorda cedo: surucuá, carão, corvo pantaneiro, urubú, caracará, socó, garça grande branca, mutum, galinha pantaneira, tuiuiu, cegonha tabuiauá, mergulhão, gavião negro, jaçanã-cafézinho, ema-macho, com 18 filhotes (é o macho que choca os ovos de várias fêmeas, e se ocupa das crias), ariranha (tipo lontra grande) e iraca (tipo lontra mais pequena), várias capivaras com montões de filhotes bebé, macaquinhos, vários jacarés com montões de filhotes, tucanos, araras, piriquitos, papagaios (muitos destes nomes de origem índia).


Fomos ainda visitar a propriedade a cavalo, mais o Guilherme, outro aficcionado da natureza que ia mostrando com entusiasmo aves, gado, plantas e animais. Excelente qualquer dos dois passeios.


E no regresso atravessámos o Pantanal, o Serrado e a serra de Maracaju com a Carol que por sorte também vinha para Campo Grande, e mais uma lição de conhecimento e amor pelo Pantanal e ecossistema envolvente ("o pantanal (há 10 pantanais identificados) é como um prato fundo com serra à volta, que recebe água de várias fontes").


Gastronomia:
Arroz pantaneiro com carne seca; batata dourada com queijo pantaneiro, carne assada de várias espécies, soufflé de queijo pantaneiro, arroz doce pantaneiro com canela, mel pantaneiro, doce de leite de búfala, saladas várias da quinta.

Bolívia
Aqui não há jornais e ninguém sabe nada da Bolívia…
Vamos então tentar o plano B, via Paraguai, amanhã. Veremos quando vamos ter acesso ao blog!

De Bonito ao Pantanal







À conversa no SKYPE
















Dengue em campanha









Folha de registo para eleições















Skype
Como a comunicação cresce com as NTI, apesar das suas vicissitudes. Até o Miguel com um ano já se ri e nos diz adeus, do outro lado do Oceano.

Eleições no Brasil
Na chegada a Miranda, depois de fazer 3 horas de estrada (130km) , ainda eram 9 horas da manhã. Transito?… só mesmo vaquinhas nelore, red e suissa, mas estrada de terra vermelha e pedra com buracos, um verdadeiro desafio.
Num breve passeio em Miranda, em busca de um café, encontramos um simulador de mesa de voto electrónico, com uma menina a treinar a população. Num teclado marca-se o número, aparece a foto e confirma-se. Voto branco carrega branco, voto nulo não parece possível: a electrónicaa não dá erro.
A moça distribuía uns folhetos onde se explicava que os Brasileiros vão às urnas dia 5 de Outubro votar para vereador e para perfeito, e onde se sugeria que os cidadãos levassem o número dos seus candidatos escrito num papel. Pergunto-me se esta estratégia não pode parecer amedrontadora,e alguns se sintam pressionados ao se apresentar nas urnas com um papelinho já preenchido… pelo menos evocará potencialmente receios de não anonimato… ou não!


Mosquitos

A campanha do dengue anda por aqui.
Malária parece que não há. Está também muito frio por isso deixámos a profilaxia para quando chegarmos a Chiclayo-Norte do Peru. Apesar do repelente (que não se pode usar nas zonas ecológicas), estamos cheios de picadas.

O poeta-pantaneiro
Fomos para a fazenda de taxi. O Sô Grémio Moura veio a recitar um longo poema que fez em homenagem a um veado que viu morto à beira da estrada ("Pantanal é sítio de bicho") . Fica uma estrofe, mas vem aí um livro de poemas em breve:

Se vir um animal na rodovia
Deixa ele passar
Você está fora de sítio
Ele está no seu lugar (…)

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

De Bonito a Bonito

Tamanduá a lanchar cupim, no regresso da fazenda do Rio de Prata, safari de improviso mais o Jair




Fazenda da Cachoeira, almoço, trilha monte acima, e mergulho nas seis cachoeiras, rio abaixo. Aguas limpidas, duche de cachoeira.




Bonito - no Balneário Municipal (rio)

Nadando com milhares de piraputangas e dourados

Bonito
Bonito é o Paraíso das águas, uma forma de Ecoturismo que já vimos a nível nacional por exemplo na Costa Rica (“Pura Vida”).
Aqui porventura mantêm-se a afabilidade, o gosto e a consideração pela natureza, mas o formato não está tão estereotipado e é quanto a nós muito mais agradável.
Bontito é uma localidade com 7 ruas paralelas, três de cada lado da rua “das lojas” e dos restaurantes. O nosso Hotel foi uma boa escolha (Gira Sol ).

E gerido por um casal que apenas conhecemos no dia da chegada, mas estivemos perfeitamente “em casa”.
O João Luís esteve sempre por ali para o que foi preciso, os quartos limpos e agradáveis, o café da manhã muito cuidado e gostoso. Foi bom deixar tudo espalhado pelo quarto sem preocupações de segurança, foi bom a sua disponibilidade para nos ajudar a decidir passeios sem pressões “para turista”. No último dia forneceram o café da manhã às 5.30h porque claro, não íamos sem comer para o Pantanal… enfim, em casa no meio do Mato Grosso do Sul !
Também, excelente o Jair (o nosso transportador) que nos levou ao rio (Balneário Municipal), à Fazenda das Cachoeiras e à Fazenda do Rio da Prata. O seu serviço excedeu em muito o “transporte” e parava sempre que via “ bicho”, contava histórias e fizemos uma safari de improviso, no meio da mata, à cata de um tucano e à cata de um tamanduá bandeira, a espiar cutias, emas e siriemas... e o entusiasmo do Jair… parecia em férias connosco e não “o taxi”… E, quando falamos em excelente, falamos também de excelente preço, para o serviço.
Dos passeios fica o registo do banho com piraputangas, em águas cristalinas, e o duche de cachoeira, também em águas límpidas.
O último passeio, na Fazenda do Rio da Prata, com flutuação rio abaixo com máscara, a ver fauna (piraputangas, dourados, curimbas, pacús, pintados, piáus), incluiu ainda como incidentes mais aguerridos a descida (a nado) de um rápido e uma trilha de floresta a ver a flora e fauna terrestre. Vamos ver se conseguimos por fotos, foram tiradas com máquina estanque e são muito pesadas…
Aqui nosso guia Miguel mostrou-se um psicólogo intuitivo, com técnicas apuradas de dessensibilização sistemática, incentivando e apoiando uma senhora que não sabia nadar, ao longo do percurso rio abaixo. Foi bonito ouvi-la dizer no fim, a rebentar de felicidade, que nunca tinha pensado meter-se numa aventura dessas.
Gastronomia
Carne - capivara (aqueles animais gordos que vimos em São José do Rio Preto, comem-se, confesso que me deu alguma náusea só a ideia, mas finalmente é bom…), queixada (espécie de porco selvagem) e jacaré.
Peixe- pacú, lambaris, pintado,
Fruta - guariva, acerola, jabuticaba
Doces- doce de leite… sempre…, cocadas, doce de abacaxi, de mamão, de maracujá…

De Campo Grande a Bonito


Publicações Brasileiras e...

Abigail " Mulheres sem voz!"

Bolívia


Da Bolívia já não se fala, mas vamos aguardar uns dias.
Estamos mais confiantes da nossa ida a La Paz, pelo menos a tempo do Congresso.

Entretanto preparamo-nos para um fim de semana em Bonito (o Paraíso das Águas) com mergulho e passeios pela natureza, e no Pantanal, antes da ida segunda feira para o Paraguai.

Até lá lê-se, e aqui vai a apresentação de publicações recentes dos colegas que já visitei.


Leituras à espera de solução para a travessia da Bolívia:

Vencendo o Pânico
Bernard Rangé e Angélica Borges
RJ (2008)

Terapia que os autores chamam integrativa, largamente baseada na teoria e prática da Terapia Cognitiva Comportamental enriquecida pela experiência clínica dos autores
O livro tem duas partes uma para clientes e outra para terapeutas com análise de situações e exercícios práticos.

Atendimento Psicológico em Clínicas-Escola
Edwiges Mattos Silvares (org) ,
Ed Alínea, SP (2008)

Questões relacionadas com o atendimento Psicológico com crianças, adolescentes e adultos.
Na sequência deste livro temos a investigação do IP da USP sobre as actividades das Clínicas-Escolas no Brasil e em Portugal ( um dos nossos projectos conjuntos).

Adoro Odiar o meu professor
António Zuin
Autores Associados SP (2008)

O alunos entre a ironia e o sarcasmo pedagógico
Reacções sarcásticas dos alunos, ou como eles aprenderam muito bem a lição dos seus mestres. “O ressentimento dos alunos em relação aos seus mestres que os “educam” pelo sarcasmo não se reduz a um momento isolado”.

Psicologia das habilidades Sociais na Infância e na Adolescência
Zilda e Almir del Prette
Ed Vozes, Petrópolis (2006)

Numa Psicologia do Desenvolvimento em algumas áreas formatada pelo modelo adulto, aqui temos competências especificas do desenvolvimento da criança e adolescente: auto-controlo e expressão emocional, civilidade empatia, assertividade, solução de Problemas interpessoais, Fazer amigos, Competências sociais académicas

A representação do Eu na vida Cotidiana
Erving Goffman
Editora Vozes 8 ed (1975, ed original 1959) (encontrado num SEBO em S.Paulo, velhinho mesmo!)

Cenário e a Fachada: aparência e modo relacional (“invólucro externo”)
Regiões e comportamento regional
Comunicação imprópria
A arte de manipular a Impressão

Psicologia da Saúde: Pesquisa e Prática
Maria Cistina Miyazaki, Neide Micelli Domingos, Nelsom Valério
( 2006) THS Abrantes , SP

Reflexões sobre as modalidades, as vantagens, as experiências, as dificuldades do trabalho pluridisciplinar na clínica Hospitalar e na prestação de serviços à comunidade, com especial foco no trabalho do Psicólogo numa equipa de saúde. Oferecem interessantes contributos na área do aconselhamento pré-operatório (com um manualzinho para crianças “eu vou ser operado!”, diabetes, cancro, epilepsia, ACV, AVC, obesidade infantil, VIH, crianças infectadas com VIH, transplantes, stress em estudantes de Medicina (estudo de consequências como abuso de substâncias, dificuldades na relação interpessoal, depressão, suicídio).




Abigail e as mulheres " sem voz"!

Encontrei o catalogo de uma exposição de pintura que vimos ainda do Rio. Uns quadros de cores e formas agradáveis (uns mais bem conseguidos do que outros), todos num estilo consistente.
Figuras de mulher, ao estilo anos 20, chiques mas inexpressivas.

A pintora, de nome próprio Abigail (a evocar o árabe, não fora os restantes nomes, entre o indiano e o alemão).
O folheto que acompanha esta exposição de pintura, traz um texto, esse sim assustador, a transparecer problemáticas que gostaríamos de julgar extintas.

O silêncio – Abigail Vasthi Schlemm, 2008

“(…) Nunca pretendi interferir, nem remotamente nos destinos da humanidade. Com a minha arte somente procuro a beleza e a poesia possíveis.

Minhas personagens, às vezes, se confundem comigo. São concentradas, quietas, caladas, fora do ar e do tempo, como quem já não espera. Quase sempre estão de costas para o mundo. Seu universo é pessoal.

Mas elas são instigantes, envolvem, provocam, seduzem. seu silêncio é profundo, patético e profético. Seu silêncio é o silêncio que denuncia a ausência das mulheres na história da humanidade”

Esta descrição corresponde exactamente ao oposto do que se advoga para a promoção da igualdade de género e do bem-estar interpessoal: estas mulheres silenciosas e passivas, quiçá manipuladoras!

De Campo Grande a Campo Grande III


Ainda os Jogos Para-Olímpicos- Excertos da opinião de um especialista, que esteve em Beijing


Jogos Paralímpicos e Inclusão

"Tive oportunidade de assistir em Beijing à abertura e a algumas competições dos chamados Jogos Paralímpicos.
Os meus comentários são inumeráveis mas gostava de regressar a uma conversa que tive com um amigo meu antes de partir.
Em síntese ele perguntava-me “ o que é que uma competição que se passa só entre pessoas com deficiência ( e destas só com algumas deficiências dado que as pessoas com deficiência auditiva ou intelectual não participam) tem a ver com o movimento da Inclusão”? . (….)

1. Antes de mais as pessoas com condições de deficiência (PCD) são rejeitadas para efectuar práticas desportivas (sejam elas de rendimento ou de simples manutenção) em estruturas "regulares" (digo "regulares" entre aspas porque uma estrutura que assim segrega as PCD parece-me muito mais "irregular"). (…)

2. Os Jogos Paralímpicos celebram a diferença e valorizam o desempenho de pessoas que em condições adversas conseguem desempenhos espantosos. Desafiava os meus leitores a se informarem qual é a marca que uma pessoas amputada do membro inferior salta em altura.
Trata-se aqui não de valorizar só a performance humana (um corpo como uma magnífica máquina) mas de valorizar o que é possível fazer face a uma circunstância. Assim, o desporto Paralímpico abre novas perspectivas sobre as possibilidades humanas. Talvez antes desta organização existir não soubéssemos que se pode nadar sem braços ou sem pernas ou mesmo sem uns e outros. (…)

Mas que fique claro: não foram as PCD que se colocaram "à parte": elas foram colocadas à parte e quando se organizaram para poderem ter acesso à prática desportiva e à competição, assim mesmo nos dão exemplos de abertura e de solidariedade.

Prática desportiva não segregada? Sim, vamos a ela, mas não esqueçamos que vai implicar um novo conceito de desporto. Um desporto que se assuma diverso como a humanidade, que recupere os valores lúdicos e que se desenvolva mais numa linha horizontal do que numa hierárquica pirâmide.

Os Jogos Paralímpicos são assim uma celebração da diferença e são uma prova cabal que o termo "deficiente" ("não eficiente") sempre foi um disparate e um anacronismo. Bem-vinda pois a mediatização dos Jogos para abrir as bocas e os corações. (E sabem que pessoas sem braços comem, na China, o seu arroz com os pauzinhos manuseados pelos pés?)"

David Rodrigues

De Campo Grande a Campo Grande II

Bolívia, via a colega em Portugal que mais sabe de NTI

terça-feira, 16 de setembro de 2008

De Campo Grande a Campo Grande




Os Jogos Para-Olímpicos acabaram . Faltam-nos informações sobre a equipa Portuguesa. Deixamos aqui os parabéns à equipa Brasileira, 9 º lugar, 18 medalhas de ouro, 47 medalhas no total. Aqui (finalmente) deu meia página de um jornal, e várias noticias na Televisão.




Morreu Richard Wright dos Pink Floyd e de repente recordo mentalmente o Dark Side of the Moon, que havia lá em casa em versão LP (claro!), e as discussões com o meu irmão que clamava ser ele o proprietário (a propósito “Wish you were here”!)

Era deles a canção que dava como finda a noitada de uma das discotecas muito em voga em Lisboa nos anos 80 (seria o “Jamaica” ou o “Bolero”?), e a visão do Tita, ao rubro, a esbracejar e a gritar “teachers! leave the kids alone!”

O caminho para a Bolívia

A presidente do Chile, Michele Bachelet convocou os chefes de estado da UNASUL / OEA (União das Nações Sul Americanas e Organização dos Estados Americanos) para uma reunião em La Moneda (Santiago do Chile) para debater alternativas e evitar a crise na Bolívia.
Evo Morales foi explicar a situação e obteve completo apoio internacional, na América Latina.
Por aqui ninguém quer uma guerra. Ninguém quer um país dividido.
Hoje com o regresso de Evo Morales à Bolívia esperamos o desenrolar dos acontecimentos.

Quanto a nós, encontrámos uma solução. Vamos tentar atrasar a ida para La Paz, até à última data, correspondente à ida ao Congresso.
Para isso vamos oferecer-nos uns dias de férias no Pantanal e depois vamos pelo Sul, para Asunción no Paraguai (16 horas de onibus!), em vez de entrar directamente na Bolívia.
Dia 26 resolvemos: ou vamos de avião para Cochabamba, já na parte ocidental, e daí para La Paz, ou desistimos de vez e vamos directos para o Peru.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Notícias de Tombowa

Desde Tombowa- Angola - Projecto Micro crédito
Este verão estive em Angola.
Foi uma viagem de 3 semanas em que muitas coisas aconteceram. Desde a minha mala que chegou na véspera do regresso a Portugal, passando pela ausência de todo conforto, ao choque de nos depararmos com vidas desgraçadas, sorrisos lindos, uma capital caótica, um deserto fenomenal e a campanha eleitoral do MPLA.

Voámos para o sul, para Namibe (antiga cidade de Moçamedes), e depois atravessámos o deserto, em Hiace, que demora 1.30 mns, até Tombwa (antigo Porto Alexandre).

Em Tombwa estivemos 2 semanas, das quais, os primeiros dias foram de choque. As pessoas vivem em casas feitas de adobe, capim e lata, com um compartimento, que serve de cozinha, sala, quarto das famílias e não são de 2 ou 3 pessoas, mas de muitas mais!!! Dormem no chão e na melhor das hipóteses em esteiras. Muitos nem um cobertor têm. E se está frio!!! Casa de banho, não existe! A água, têm que ir buscar longe.

Se alguém fica doente, fica ali mesmo, no chão, no mesmo compartimento, à espera que termine a sua passagem por aqui…Uma das fontes demográficas refere serem 90 mil pessoas a viver em Tombwa, mas não se sabe se é fidedigno.

No grupo com que estive, éramos 8 pessoas, 3 galegas, 3 portuguesas, 1 alemão e 1 inglês. Estes dois últimos deram aulas de inglês, uma moça deu formação de informática, as outras duas de higiene e saúde.

A minha tarefa foi relacionada com os projectos de apadrinhamentos e o de micro créditos.

O projecto de apadrinhamentos, de que vos quero falar, desenvolve-se , até agora, em Espanha e é dirigido a duas povoações angolanas, Tômbua e Lubango.

Consiste em apoiar crianças através de uma contribuição mensal de 18 €.

O dinheiro é transferido para Tombwa e Lubango e aqui as Irmãs que pertencem à Promaica (Organização para a Promoção da Mulher na Igreja Católica), a nossa contra-parte ali, compram comida (fuba, arroz, feijões, sabão, óleo) e pagam a matrícula, o material escolar e a bata das crianças.

Este dinheiro ajuda a criança apadrinhada mas indirectamente também a família na medida em que a alimentação acaba por ser para todos.

Apesar de achar revoltante, sendo Angola um país tão rico, ser necessário recorrer a medidas deste tipo, sei que aquelas pessoas, em concreto, sem ajuda, sofrem muito e terão muita dificuldade em sair daquele ciclo de desgraça.

Por outro lado, a ajuda que damos (18 € por mês) é uma ajuda significativa porque permite, no imediato, não passar fome e alfabetizar crianças.

Talvez algumas delas possam, no futuro, contribuir para a melhoria da sociedade Angolana. A minha avaliação foi de que o projecto é positivo.

Claro que o que está ao nosso alcance é muito pouco e que as questões políticas são determinantes mas não tenho dúvidas que seria muito bom se houvesse muitas mais crianças apadrinhadas.

Portanto, se quiserem participar de alguma maneira, ou conhecerem alguém que queira contribuir com 18 € mensais para uma criança contactem-me e explicar-vos-ei melhor como tudo funciona.

Com alguns de vocês já partilhei muito mais, espero que haja oportunidade de conversar com todos.

Beijinhos, beijinhos, boa semana,

Catarina:)))

De S. José do Rio Preto a Campo Grande


O interior do Brasil. Vista de uma pequena vila ao nascer do sol, tinta da china sobre grafite sobre papel ( tentativa desesperada num onibus aos solavancos)







Mesma vista, agora ao pôr do sol, adivinhe-se os materiais usados...







Polémica à volta do desenvolvimento e preservação socio-cultural.








Loja Maçônica Oriente Maracaju, em Campo Grande







Saída de São José do Rio Preto pela noitinha e chegada de madrugada a campo Grande no Mato Grosso do Sul.
O Inverno aqui tem oscilado entre 30 e 38 graus, ficando-nos a questão de como será o Verão. Mas hoje durante toda a noite trovejou imenso e a temperatura chegou aos 13 graus, acompanhada de chuvinha à chegada a Campo Grande. Por aqui, para fugir aos roteiros mais tradicionais, o modo de viajar é o onibus-executivo, com lugares largos tipo primeira classe de avião, reclináveis a fazer cama, com “banheiro”… barato e muito repousante…

Estamos agora em Campo Grande, a estudar percursos alternativos para atravessar a Bolívia, e mesmo a ida de avião para La Paz, para não deixar a organização do Congresso "pendurada", mesmo isso se torna cada vez mais remoto…

Num primeiro passeio deparámo-nos com dois pormenores curiosos, um grande outdoor a questionar “Para valorizar as etnias é preciso desacelerar o desenvolvimento?”. Tentámos aprofundar esta questão misteriosa.
Justamente num dos últimos números do jornal “ A Folha de São Paulo” este assunto foi abordado num debate tipo o nosso “ Prós e Contras”.
O Brasil tem tido um enorme crescimento económico, neste ano o PIB aumentou quase 6%.
A questão é se este desenvolvimento acelerado, que terá as suas raízes em vários factores entre os quais a exploração petrolífera, tornará não-sustentável a valorização das minorias étnicas no País. O outro lado da questão é alegadamente a vantagem de manter esta parte da população pobre e iletrada.
Como é costume nestas polémicas polarizadas, ambas as correntes de opinião não conversam procurando convergências, e rebatendo os argumentos da outra parte, por isso, para um outsider como nós até parece que cada parte está a falar de um assunto completamente diferente, ignorando a argumentação opositora!

Depararamos mais tarde com um bonito edifício térreo, que ostentava na fachada um baixo relevo com as palavras “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” e um cartaz na porta de entrada onde enunciava ser ali a sede da Loja Maçónica Oriente Maracajú , fundada em 1921 e Juridiscionada à Sereníssima Grande Loja Maçónica do Mato Grosso do Sul.

Em Campo Grande tivemos o privilégio de visitar, mesmo nu último dia a primeira Feira Internacional de Artesanato e Decoração Artesanal, com representações de 19 países e 16 estados Brasileiros (Feira Internacional de Artesanato). Portugal estava representado pelos verdadeiros e tradicionais pastéis de Belém, confeccionados no Brasil desde 1935, mas que não vimos porque estavam esgotados, pastéis de Santa Clara (penso que são os da minha terra natal, Coimbra, mas não reconheci…) e os pastéis de Tentúgal na sua versão original e com sabor a maçã (?).

Ainda o caminho para a Bolívia

No Público que consultámos esta manhã não vimos notícias sobre a Bolívia. No entanto por cá ouvimos esta manhã na televisão, que o exército avançou numa tentativa de controlar a situação.
Os opositores de Evo Morales desbloquearam as estradas, e um dos governadores de uma das províncias revoltosas foi detido, o das províncias revoltosas reuniram-se e falam de “ditadura”. Evo Morales apela à serenidade fala de interesses económicos com o apoio dos Estados Unidos e pede ao Brasil que não deixe entrar na Bolívia milícias brasileiras. Registaram-se mais mortes entre a população.
O Presidente Lula foi hoje aceite por ambas as partes como interlocutor e viajou já para o Chile para iniciar esta missão.

Por cá estamos a ver como sair de Campo Grande para Asunción, e como ir de Asunción para o Peru, mas ainda não perdi a esperança de voar para La Paz dia 28, se as coisas serenarem. Ainda iria a tempo de alguma participação.

domingo, 14 de setembro de 2008

De S.José do Rio Preto a S.José do Rio Preto


Em passeio com a Cristina e Neide,
fomos surpreendidos por estas Capivaras, à beira do Rio Preto.
Estranho convívio o deste animal insólito com a população, ali mesmo ao lado, quase no centro da cidade.






Psicologia da Saúde em São José do Rio Preto

A Professora Cristina Miyazaki é uma profissional de renome que regularmente apresenta o seu trabalho pelo mundo, em Congressos na área da Psicoterapia Cognitiva e Comportamental, Medicina do Comportamento e Psicologia da Saúde. Lidera o Laboratório de Psicologia da Faculdade de Medicina São José do Rio Preto (Faculdade de Medicina de S.José do Rio Preto) .

Conheci também a Prof Neide Micelli (Psicóloga) e a Prof Maysa Bianchin (Terapeuta Ocupacional) e falei ainda com vários profissionais e estudantes de pós graduação.

Os cursos de graduação da FAMERP são de Medicina e Enfermagem, mas nos cursos de pós-graduação, juntam-se os profissionais de várias áreas (Medicina,Psicologia, Enfermagem, Fisioterapia, Terapia Ocupacional). Nesta reunião visitei ainda o Hospital Escola (Hospital Escola de S.José do Rio Preto)

Aqui, existem cerca de 50 Psicólogos ligados aos vários serviços do Hospital-Escola: Urologia; Pediatria; Pediatria Oncológica; Cirurgia; Obesidade; Neurologia; Genética; Cardiologia; Organizacional e Recursos Humanos, Clínica de apoio psicológico a estudantes.
Para além destes há bolseiros de doutoramento e “Residentes”, uma figura semelhante aos Internatos da Medicina em Portugal, que aqui também incluem os Psicólogos em formação.
Para além da componente clínica e da docência, esta equipa tem ainda uma grande componente de investigação e trabalho na comunidade.

Os Médicos, Enfermeiros, Psicólogos, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais são treinados juntos na pós graduação e assim crescem juntos e aprendem juntos a compreender, respeitar e saber colaborar uns com os outros, respeitando a diferenciação de competências e as mais-valias desta sinergia.
Para a Cristina Miyazaki este é um “ingrediente básico” na boa relação e colaboração entre estes profissionais com formação–base diferente.
A equipa tem várias publicações, entre as quais um livro publicado em 2006 onde se relata esta experiência (Cristina Miyazaki, Neide Micelli Domingos e Nelson Valério (org), Psicologia da Saúde: Pesquisa e Prática, (2006), THS Arantes).

Os cursos de pós-graduação são de vários tipos, alguns dos quais “à distância” embora incluam sessões regulares presenciais.
Tal como em S. Carlos e S.Paulo, vamos desenvolver esforços para o estabelecimento de um convénio de colaboração e partilha de investigação e intercâmbio de estudantes, entre as nossas Instituições.

A Cristina é uma mulher “de armas”, uma pessoa que resolve problemas, e é efectivamente espantosa a organização do serviço que ela lidera aqui em S. José do Rio Preto, e que considerei paradigmática do que pode ser o papel do psicólogo nos serviços de saúde e de como se pode processar a criação de uma linguagem comum e uma gestão de esforços entre os vários profissionais, abrindo possibilidade ao trabalho pluridisciplinar.

Passeamos também em S. José do Rio Preto:

- Boa gastronomia, bom convívio e algumas notas turísticas: à beira rio, a “visão” de um bando de uma vintena de Capivaras, eu diria que adultas, do tamanho de um borrego pequeno mas gorducho, que vivem em perfeito convívio com a população, na margem do Rio Preto.

- As Ipês, árvores lindíssimas da mata atlântica, com flores de cores várias, a mais frequente o amarelo, aqui são brancas (a cor mais rara) e ficam belíssimas a lembrar as amendoeiras em flor, ou árvores com neve, nestes 37 graus…

- Já de táxi para o onibus, conhecemos (ouvimos no taxi) um cantor nascido, criado e falecido em S. José do Rio Preto, o "Tião Carreira" que se celebrizou por cantar cantigas populares com letras críticas à política de Vargas, que tomavam a forma de metáforas para melhor fugir à censura (ouvimos do taxista, enquanto nos mostrava o botequim onde ele passava muito tempo, à beira da estação rodoviária ).

O caminho para a Bolívia

Hoje devemos ter notícias sobre a intervenção militar nas zonas orientais da Bolívia e sobre a evolução do conflito. Fontes bem informadas contactaram-nos no sentido de nos sugerir uma alternativa à travessia da Bolívia neste momento.
Estamos a trabalhar numa alternativa que é seguir para o Paraguai e apanhar voo directo para La Paz, ou, se na próxima semana as coisas não se compuserem, para Cusco no Peru abandonando a passagem pela Bolívia.



sexta-feira, 12 de setembro de 2008

De S.José do Rio Preto a S.José do Rio Preto

Bolívia, desde S. José do Rio Preto

Por entre uma visita extraordinária à Faculdade de Medicina de S.José do Rio Preto, Laboratório de Psicologia e Hospital Escolar, de que falarei em breve, a nossa perturbação actual é o prosseguimento da viagem pela Bolívia.

Tínhamos planeado seguir pelo Pantanal até Corumbá e passar para a Bolívia por Puerto Suárez. Seguia-se uma viagem de comboio-cama até Santa Cruz de la Sierra, uma viagem por estrada para Cochabamba, e chegada a La Paz de avião, daqui seguiríamos para Lima por avião, em dois troços. Tudo já planeado, hotéis, viagens de avião, e uma estada de 5 dias em La Paz a visitar projectos na área da saúde e participação num congresso com 3 conferências e um workshop…

Bem… A fronteira de Puerto Suárez/Corumbá está fechada, não há comboio, a estrada de Santa Cruz para La Paz com passagem por Cochabamba está bloqueada, ocupada pelos opositores a Evo Morales.

Em Cochabamba e em La Paz, seguindo um comentário que me enviaram (ver comentário), não há problemas.

A questão que vamos seguindo pelos jornais e noticiários é que 5 das 9 províncias da Bolívia (as mais ricos) querem que os impostos sobre a produção e comercialização do gás natural revertam apenas para os estados produtores. O Governo Central em La Paz, chefiado por Evo Morales, quer redistribuir estes impostos por toda a Bolívia. Mais, quer utilizá-los para fins de benefícios sociais, nomeadamente um subsídio aos maiores de 60 anos.
Os Bolivianos mais pobres, que são também a maioria, moram na parte ocidental e montanhosa da Bolívia. São estes os apoiantes de Evo Morales e a maioria, daí a sua eleição. As restantes 5 províncias querem então autonomia e revoltam-se nas ruas com apoio dos governantes provinciais.

Tem havido tumultos nas ruas, destruições nas ruas e algumas mortes. Ontem explodiu um gasoduto o que está a perturbar o fornecimento de gás natural ao Brasil. Os noticiários apresentam repetidamente imagens de violência de populares nas ruas das cidades orientais, nomeadamente em Pando (onde se registaram as mortes) Tarija e Santa Cruz de la Sierra.

Ontem Hugo Chavez, que responsabiliza o Governo dos Estados Unidos por tudo isto, expulsou o Embaixador dos Estados Unidos em Caracas, como forma de solidariedade para com Evo Morales e veio à televisão com um discurso inflamado entremeado com um par de palavrões ilustrativos da sua revolta.

Vimos hoje no Público que o Governo Português aconselha os cidadãos Portugueses a que evitem a Bolívia.

Agora o nosso problemazinho particular… evitar a Bolívia em bloco? ou tentar chegar à parte ocidental (Cochabamba ou La Paz)? Como?

Podemos contornar a Bolívia pelo Amazonas a norte, ou entrar no Paraguai até Asuncion e depois apanhar um avião, para Cochabamba, para La Paz, ou para Lima… Para ir para Cochabamba ou la Paz o problema é que os aviões fazem escala em Santa Cruz de la Sierra, e o aeroporto está em risco de encerramento….

Ir directo a Lima… é uma pena. Temos grandes expectativas em relação ao trabalho em La Paz, além disso no caminho de La Paz para Lima tínhamos previsto uma visita a Cusco e Machu Pichu… e assim não há como lá chegar… E depois há um conjunto de despesas irrecuperáveis e 3 semanas de viagem a refazer e a repagar…
Aiaiai…
Vamos seguindo as notícias, cheios de prudência e cheios de vontade de tornar possível, no mínimo, ir pelo Paraguai directamente para La Paz.
Alguma dica?

De S. Carlos a S.José do Rio Preto


A Margarida faz hoje anos , com a jovialidade e encanto que se retratam.
Temos saudades suas e das suas travessuras!

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

De S.Carlos a S.Carlos III















S. Carlos é uma verdadeira cidade Universitária com campus. Talvez mais bem descrita como um campus com uma cidade. Este formato com esta intensidade, não temos nós em Portugal, ou pelo menos não me estou a lembrar de nenhum caso…

Aqui o campus ocupa grande parte da cidade e lá dentro há todo um conjunto de Instituições de apoio ao aluno, ao docente, à docência, à investigação e aos serviços de extensão à comunidade. Há instituições bancárias, restaurantes, livrarias e papelarias, uma estação de rádio, uma estação de televisão, uma orquestra e um coro, um teatro, um hospital-escola, um centro de saúde-escola e até uma agência de financiamento à investigação…, tudo dentro da UFSCAR.
Muitos alunos de outras partes do Brasil vivem em residências universitárias, até à graduação. Para os outros há Repúblicas, tal como as conhecemos da cultura Coimbrã. Tal como lá, há um culto corporativo dos alunos que passaram pelas Repúblicas, alunos de Minas Gerais, do Mato Grosso…

Tal como a nossa equipa Aventura Social em Lisboa, a equipa da Zilda e do Almir tem cerca de uma dúzia de alunas de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento, todos com bolsas de investigação. TodOs não, todAs: são na verdade alunas no feminino, apenas um jovem. A nossa equipa em Lisboa tem a mesma proporção. Por onde andam os alunos-investigadores, aqui como aí?

Ontem jantámos juntos!
Mais uma experiência cultural “Rodízio de Pizza”: várias pizzas vão passando, uma das quais aliás chamada “Pizza à Portuguesa” (?). Assim podem comer-se uma dúzia de espécies de pizza diferentes, se o apetite o permitir. O curioso é que segue-se para a sobremesa também com pizza, mas então o queijo-base, é subtituido por chocolate-base e… largas à imaginação.

Radio USFCAR Escute Diferente

Hoje fui requisitada para fazer uma entrevista para a rádio local ( Radio USFCAR- Escute Diferente).
Vamos ter o link directo para a entrevista que vai passar em vários programas, na proxima semana.
Aceitei, um pouco para ser coerente com a minha politica de divulgação do conhecimento, mas francamente tinha-me parecido uma coisa longa (uma hora). Mas os meus entrevistadores, dois jornalistas, eram muito animados e descontraídos e tinham feito um trabalho de pesquisa notável sobre a minha vida e o meu trabalho. Diverti-me imenso “à conversa” ao longo daquela curta hora…

Em passeio com a Zilda descobrimos que a cidade se estende bem para além da rua que já conhecemos e inclui mesmo uma vasta zona verde com laguinhos a pedir longos e saudáveis passeios. A Zilda conta-nos que é uma cidade que permite uma excelente qualidade de vida, sem poluição, sem criminalidade, sem trânsito… Tem também uns excelente “picolés” (gelados de pauzinho, excelentes, directamente da fábrica).

Visitamos o Centro de Saúde–Escola, que fornece serviço à comunidade bem como apoio à docência e à investigação na área da medicina, fisioterapia, psicologia, enfermagem e terapia ocupacional, tal como o Hospital–Escola. Tem vários gabinetes de consulta, vários ginásios com saída directa para a rua (campo exterior para treino), piscina com vidro para fisioterapia, uma unidade de treino de actividades de vida diária (uma meia casa completamente equipada com vidro unidireccional, para treino de pessoas com deficiência mental, ou pessoas em recuperação de lesão motora), tem ainda uma ala para crianças com ludoteca que acabou de abrir, e projecta-se um espaço para design e construção de próteses.
Portugal- Dinamarca
Todos os dias nos assombramos com as diferenças linguísticas que unem o Português de Portugal e do Brasil.
Um “lanche de presunto”, é mesmo uma sandes de fiambre… o pedido “ Um chopp fresquinho”, leva o garçon ao máximo da estupefação “ Um chopp quê? não entendo o que a senhora quer!” e depois aliviado “ ah.. quer um chopp bem geladinho?”.
Não admira que às vezes alguns insistam em falar connosco inglês…

Justamente no fim da tarde num café passava um jogo de futebol no plasma. O garçon meteu conversa gesticulando : “ É Portugal- Dinamarca, está 1-0”. Metemos conversa de volta "Portugal tem também uma famosa selecção de futebol”.

No fim da noite vínhamos de jantar para o hotel e passamos à porta do mesmo café.
O garçon veio a correr para a rua ter connosco a gritar “ 3-2, 3-2, puxa vocês saindo e a Dinamarca pôs-se a marcar, foram 4 golos em 7 minutos, vocês haviam de ver…incrível, o Luizão já está fazendo aquela falta, é mesmo isso”.

O café estava agora cheio e perguntamos que jogo era agora “O Brasil-Bolivia”.
O garçon olhou para nós sorridenteOs senhores estão mesmo há quanto tempo no Brasil? , "Há 3 semanas”.
Ó! Puxa gente… imagina …para quem está no Brasil há 3 semanas, vocês falam Português bem para caramba!”.
Enfim é "gostozinho", no Brasil estamos sempre a receber elogios.
Bolívia
As notícias da instabilidade na Bolívia não param na comunicação social.

Custa relativizar e entender o parâmetro do risco.
Temos uma semana para decidir se cancelamos mesmo a passagem pela Bolívia e se vamos directos ao Peru, se voamos para La Paz directo de Brasilia e evitamos o caminho por terra.
Seria uma pena não poder ir, porque vai ser um grande congresso, onde gostar imenso de falar com os investigadores locais, onde vou ter uma grande participação e estamos com uma grande expectativa em relação aos locais, às pessoas, e ao percurso que planeámos, mas…
Alguém tem alguma notícia útil que nos possa ajudar a decidir?




quarta-feira, 10 de setembro de 2008

De S.Carlos a S.Carlos II

O prazer e a competência na Matemática

Para além das leituras em formato electrónico, trouxe de Lisboa uns livros de papel.
Um dos livros foi "A Matemática das Coisas" do Nuno Crato. Não conheço pessoalmente o Nuno Crato e fiquei a saber, apenas na capa deste livro, que ele trabalha na mesma Universidade do que eu…
Há tempos tinha lido uma crónica do autor, em que ele dissertava sobre os (re)conhecidos males da Educação em Portugal…
Para falar com franqueza, pareceu-me na altura um texto inteligente e denotando um elevado sentido de humor, mas achei-o também uma critica contundente, mas demasiado fácil e demasiado pouco acompanhada de propostas concretas de mudança (tenho para mim, que críticas, na idade adulta, só mesmo acompanhadas de propostas; senão é mesmo só agitar brasas…).

Muita tinta tem corrido sobre a razão do insucesso e (des)gosto dos alunos Portugueses pela Matemática. Ainda hoje li no Público on-line mais achegas a este assunto.
Mas as coisas na Educação não estão todas mal, e uma generalização abusiva só leva a um estado de pânico e insegurança dos pais, desalento dos professores, desinteresse dos alunos e descrédito da população em geral. Há sem dúvida “nichos” péssimos que até poderão azedar tudo à volta, e que têm de ser identificados e debelados, mas o resto (as boas partes), também têm que ser identificadas, reconhecidas e divulgadas.

O Nuno Crato explica com um entusiasmo transbordante, fenómenos matemáticos complexos. O seu livro tem uma leitura muito agradável e simples, com utilidade imediata na análise e compreensão de problemas do quotidiano.
Quando era adolescente, eu tinha um grande fascínio pela matemática e, se o Nuno Crato tem sido meu professor, ele teria sem dúvida mudado o meu futuro.

Passando agora a propostas concretas, o Nuno Crato podia ser encarregado de analisar e fazer propostas para o ensino da Matemática nas escolas Portuguesas. Identificar o que está mal, propor mudanças, e tornar a breve trecho os nossos alunos adeptos fervorosos e entusiastas desta maravilhosa ciência dos padrões, “os padrões matemáticos são afinal padrões necessários da natureza” (NC, pag 192).

Já agora, corroboro um apelo seu, embora não seja um tema central neste livro: a palavra "grama" tem género MASCULINO. Quando se lê “a grama” parece uma desafinação linguística, ou então que estamos a falar de botânica.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

De S. Carlos a S. Carlos



São Carlos foi criada em 1857 por um jovem político e seus irmãos, realizando um desejo antigo de seu pai de estabelecer uma cidade na sua sesmaria. S. Carlos foi o padroeiro.






E uma cidade que, salvo erro, tem uma rua grande, sem encantos de maior e algumas ramificações do mesmo género.







No passeio em frente à Experimentoteca há no chão pegadas, à boa maneira das mãos no "passeio da honra" nos Estados Unidos.











Mas aqui as "pegadas" são de várias espécies. Os exemplos são variados e há uma legenda com a foto correspondente ao exemplar que deixou a "pegada". Deixo aqui dois exemplos, o segundo dos quais achei curioso.


E assim chegámos à Universidade. sim porque depois desta descrição, "sobram" duas grandes Universidades:


Gresham e Matos
É com prazer que o Grupo RIHS/UFSCar está promovendo um conjunto de atividades sobre Habilidades Sociais para a comunidade acadêmica em agosto e setembro de 2008. Essas atividades incluem a vinda do Prof. Dr. Frank M. Gresham da Universidade de Louisiana ao Brasil e a vinda da Prof. Dra. Margarida Gaspar de Matos da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa, Portugal.
O Grupo RIHS/UFSCar agradece os apoios recebidos da FAPESP , PPGEEs/UFSCar, PPGPsi/UFSCar e da ABPMC.
Prof. Dr. Frank Gresham
E-mail:
gresham@lsu.edu
Profa. Dra. Margarida Gaspar de Matos

Duas grandes Universidades dominam a cidade, uma das quais, a Universidade Federal de S. Carlos ( Universidade Federal de S. Carlos) é a segunda melhor Universidade do Estado de S.Paulo, segundo o ranking hoje publicados no jornal O Estado de S.Paulo.

Meus colegas de já longa data no Departamento de Psicologia e Departamento de Educação Especial desta universidade, a Prof ª Zilda de Prette e o Prof Almir De Prette
Zilda e Almir ambos psicólogos, têm provavelmente a melhor equipa Brasileira no trabalho com promoção de competências pessoais e sociais, também a minha área de doutoramento, com vários projectos de renome internacional RIHS além de uma vastíssima obra em língua portuguesa, que é pena não se encontrarem nas nossas livrarias em Portugal Publicações.

A minha rotina aqui foi ministrar um curso de pós graduação, para alunos de mestrado e de doutoramento em Psicologia e em Educação Especial, na aplicação das metodologias de promoção de competências pessoais e sociais, na promoção da saúde dos alunos, em meio escolar, e organização dos serviços na escola.
Pós Graduação em Psicologia
Pós Graduação em Educação Especial

Para além disto conversei com alunos de doutoramento e discutimos o convénio de colaboração entre a UFSCAR, e a FMH/UTL e o CMDTla. Os alunos de Pós Graduação são muito diferenciados e experientes, e vêm um pouco de todo o Pais para este curso, que teve aqui, antes de mim, o Prof . Graham, uma referência mundial na área.

De S.Paulo a S.Paulo III















A perfeita entrada de fim de semana!!
Um concerto no magnífico Auditório Ibirapuera, da autoria do Niemeyer, para ver a Orquestra da Universidade de S. Paulo (OSUSP), junto com o Nelson Ayres, a tocar/ cantar Villa-Lobos, Edu Lobo e Chico Buarte.
Admirável este auditório, admirável também a música, e ainda admirável a companhia.
A OSUSP foi criada em 1975 pelo Prof. Orlando Paiva, então Reitor da USP.
Investimentos arrojados e futuristas, no que diz respeito à Cultura e às Artes! …
Fica aqui um repto, às nossas Universidades e ao arrojo dos nossos Reitores.
Depois do concerto o típico programa Paulista “pós-concerto” : Pizza, em Pizzaria repleta, pela noite dentro, em alegre cavaqueira à volta das tão já badaladas diferenças e convergências nas culturas luso-brasileiras.

Sábado de manhã assistimos à cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, na sua versão Para–Olímpica, e à chegada da chama Olímpica.
Por aqui vimos o desfile da equipa Brasileira.
Penso que o meu colega e amigo Jorge Vilela estará em Pequim, acompanhando a equipa Portuguesa.
Aqui um voto de excelentes provas a todos os nossos atletas.
A cobertura dos Jogos pela comunicação social foi por aqui parca, ao longo do fim de semana. Será que houve melhor cobertura aí em Portugal?

Embu é uma “aldeia-mercado” de artesanato, na periferia de S Paulo, que visitámos no caminho para “ o sítio” da Vivi.
Por aqui “ um sítio” é uma chácara (quinta) grande (ou talvez uma fazenda pequena).
No sítio da Vivi tivemos aulas de Culinária (peixe na grelha com ervas, farofa, picanha, caipira, sopa de caldo, chimarrão- chá de mate verde, aspirado por uma palhinha, doce de leite condensado, cocada, quebra-queixos- doce de coco com ananás).














Seguiram-se aulas de Botânica e Zoologia, em passeio, no contexto natural da Mata Atlântica, um privilégio!

Aprendemos a observar muita vida animal e vegetal própria da Mata Atlântica: tatus, beija-flor, bem-te-vi, gambá, saúva, isto com respeito à fauna; ipê, palmito, araucária (diferente da de Portugal), morango silvestre, orquídeas várias empoleiradas pelas árvores, fetos luxuriantes a embrulhar troncos, para a flora. E tantos outros que a Vivi e o Otávio nos mostraram, à vista ou ao ouvido, e que não conseguimos memorizar.

Tivemos ainda "aulas" de cultura musical brasileira, sempre ao som de música brasileira, de MPB (Música Popular Brasileira) e Bossa Nova.
O Bossa Nova tem um ritmo impressionante, que se gosta de imediato e que se aprende a gostar cada vez mais.
Este ano os brasileiros celebram os 50 anos do aparecimento do Bossa Nova e o assunto tem vindo a ser debatido. Mas a nossa perplexidade não acaba aqui.
Esta música mágica, de ritmo complexo é considerada uma música genial mas …elitista, conservadora, afastada das preocupações da população.

Lembrei-me do José Duarte nos seus “5 minutos de Jazz”, quando há décadas dizia no seu programa qualquer coisa como “ sempre houve, em todos os tempos, uma elite musical… e em todos os tempos a população em geral necessitou de uma música”…
Enfim, não é simples !
Pois bem, Bossa Nova será conservadora, apelará ao romantismo e à inércia social, terá mesmo justificado da Nara Leão a expressão “ Agora já chega de Bossa Nova!”.
Mas é tão, tão, mas tão envolvente!
Um fim de semana inesquecivel, na melhor companhia!

Saímos no fim do dia de São Paulo e continuamos a nossa viagem para o interior, mais duzentos e tal quilómetros, até S. Carlos.
Para já ainda não vimos nada para além de um jantarinho simples de carne seca à mineira no bar restaurante Trem Bão, que estava cheio de juventude. Delicioso e muito bom preço.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

De S.Paulo a S.Paulo II

Hoje foi dia de museus. Todos dentro do campus da Universidade de São Paulo.

Comecei pelos magníficos museus do Instituto Butantan: um serpentário, um museu de biologia, outro de microbiologia e ainda um museu histórico. Depois o MAC, de arte contemporânea, o MAE de arqueologia e etnografia e o Museu de Geologia da Faculdade de Ciência Geofísicas.

O Instituto Butantan, fundado em 23 de Fevereiro de 1901, é um centro de pesquisa biomédica, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, responsável pela produção de mais de 80% do total de soros e vacinas consumidas no Brasil.
Para prossecução das suas actividades possui grande número de ofídeos dos quais expõe, ao ar livre, algumas espécies mais adaptáveis ao cativeiro. Em jaulas de vidro dentro do Museu de Biologia podem ver-se dezenas de espécies.

O Museu de Microbiologia dá uma visão desde os fungos até aos priões. Fungos, protozoários e bactérias podem aí ser vistos ao microscópio. Ficam, naturalmente, fora da visão os vírus e priões, dos quais são apresentados modelos.
O Museu Histórico descreve a evolução do Instituto desde o sítio de Ibu-tá-tá (terra-dura-dura), passando pela fazenda de Ibutatan e até hoje.
Sobre o MAC (lamento a minha falta de competência) entrei e saí sem um mínimo de afeição por qualquer uma das obras expostas.

O MAE tem, para além de um sector mediterrânico e outro africano menos interessantes para o visitante europeu, um importante acervo de materiais sul-americanos. Os Índios brasileiros são aqui descritos nas suas culturas ancestrais e na sua evolução ao contacto com a cultura industrial.
O MGFCG tem uma imensa colecção de minerais, rochas, pedras. Todos com indicação de nome e respectiva composição química.
É, com certeza, de inestimável valor para o estudante mas também de imenso gozo para a vista do turista.

Incluíndo os passeios a pé e de autocarro (onibus) foi um dia bem agradável este passado nos 50 hectares do campus da USP.
Note-se o gosto que aqui temos ao ouvir onibus (em Portugal escreveríamos omnibus) em vez de "ónibâss" como pronunciado pela maioria dos Portugueses desconhecedores, que tratam esta conjunção latina como se de inglês se tratasse (?). Também dizem "áitéme" (item) e ainda os hei-de ouvir dizer "sainé daié" (Sine die). É triste mas é verdade.






Alunos visitando o Museu de Microbiologia












Serpentário no Instituto Butantan














Procurámos de tarde uma esplanada para trabalhar, ao sol, longe do hotel.
O Hotel Howard Johnson é um exemplo acabado de má hotelaria.
O pessoal acumula-se e perfila-se no balcão da recepção, mas nada, nada e nunca, corre bem…

O hotel é central e perto da Universidade o que daria para evitar o caótico e imenso trânsito de S.Paulo. Daí a escolha.
É um hotel "standard" daqueles que há, iguaizinhos, por todo o mundo.
Pessoalmente preferimos hotéis mais característicos, mais do tipo familiar e local, mas, na verdade, estes hotéis internacionais costumam brindar o cliente com um serviço de qualidade, no sentido estrito de “sempre igual”.

Aqui corre tudo mal… a ligação à net, acessível por períodos de 24 horas a preço módico, não trabalha dias a fio e desde há 5 dias que nos garantem que o técnico está a providenciar.
O “café da manhã” mantêm há 5 dias um (o mesmo) bolo de chocolate, que hoje apresentava já sinais do devido envelhecimento e desidratação.
O jantar de ontem era praticamente intragável… uma porção de legumes a acompanhar um objecto não identificado coberto de molho (na lista o objecto dava pelo nome de peixe!).

Hoje a fugir do hotel fomos até uma esplanada nas redondezas. Um restaurante na rua paralela, com uma esplanada agradável, coberta de vegetação.
O empregado não tardou: “Você fumam?”, “Não?”…. “Então não pode sentar, só lá dentro… a esplanada está reservada a fumadores !!!!!!!!”
Nunca tinha acontecido, mas para nós que adoramos esplanadas em dia de sol…
Custa pensar que a nossa única hipótese é começar a fumar!!!!!


Mas falando de coisas interessantes. A visita ao Instituto de Psicologia foi rica em informações e experiência.
A Prof Edwiges Mattos Silvares (Professora Edwiges ) é minha conhecida de longa data. Nas últimas décadas fomo-nos vendo um pouco por todo o Mundo, ela já me tinha visitado em Lisboa, só faltava mesmo esta minha visita à sua Universidade. Toda a gente a reconhece pelo carinhoso nome de “Vivi”. Apesar da sua juventude foi professora de meio mundo no meio profissional de psicologia por todo o Brasil. É, enfim, daquelas pessoas que “abriram portas e horizontes” aos seus estudantes.

A Universidade de S.Paulo é enorme! Mais de 50000 alunos, mais de 40 Escolas, um campus com uma linha permanente e gratuita de transporte entre escolas.
Há vários museus (entre os quais um de Microbiologia, onde veja-se na foto, também abundavam crianças-visitantes, interessados no assunto), variada oferta de logística hoteleira, um Hospital Universitário e, pelo menos no Instituto de Psicologia, uma Biblioteca invejável… (Universidade de S.Paulo )

No Instituto de Psicologia (Instituto de Psicologia) para além das minha palestra e workshop, contactei os alunos de doutoramento (aqui diz-se “de doutorado”) e seus projectos, alguns dos quais incluídos no “Projecto Enurese”, ( Projecto Enurese ) uma linha de pesquisa em que a Edwiges é uma referência a nível mundial. Desenvoveram e têm a patente de uma intervenção terapêutica e um instrumento terapêutico para este problema.

Ficámos em promessas e projectos de que uma representação deste projecto deveria ir a Braga, em Abril de 2009, participar num evento que estamos a organizar colaborando com a Universidade do Minho, o Congresso Ibérico “Saúde e Comportamento”.
Fui, com os estudantes de pós graduação e estagiários, ver o seu trabalho no serviço de Pediatria do Hospital Universitário. Alguns psicólogos fazem jogos didácticos com as crianças à espera de consulta de pediatria num cantinho recreativo; outros conversam com os pais também na sala de espera ouvindo-os e identificando problemas e recursos familiares. Mais um exemplo a seguir, com muito impacto e baixo custo, uma vez que este serviço conta com a colaboração de estagiários de graduação, supervisionados por dois seniores, a própria Edwiges e mais um psicólogo graduado.

Adiantamos um pouco no projecto Luso-Brasileiro “ Projecto Serviços-Escola de Psicologia” , que vamos desenvolver em conjunto, on-line (Serviços-Escola de Psicologia ).

Uma das doutorandas da Vivi, a Carol Guisantes está a fazer o estudo piloto do HBSC (HBSC) no Brasil, mais exactamente em S.Paulo e Curitiba. Juntámos as bases de dados dos nossos dois países e temos já um artigo cozinhado, em que ela vai trabalhar até à minha passagem por Curitiba, mesmo antes do meu regresso. Estamos a comparar os alunos Portugueses e Brasileiros no que diz respeito aos problemas de comportamento e competências sociais e sua influência nos estilos de vida.

Estivemos hoje a ver revistas especializadas em língua Portuguesa, e factores de impacto ( CAPES e ANPEPP )

Tive ainda ocasião de reunir com a Directora do IP , acertando projectos de assinatura de um protocolo entre as nossas Instituições, para colaboração em investigação e intercâmbio de alunos e professores.

Entretanto recebi hoje um e-mail com a referência da legislação Portuguesa referente à recente criação da Ordem dos Psicólogos em Portugal.
Aqui no Brasil, 2008 é o ano da Psicologia: Profissão na Construção da Educação para Todos (ver Psicologia)

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

De S. Paulo a S. Paulo
















Hoje foi verdadeiramente interessante a conversa com os alunos de pós graduação do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Desenvolvo em breve;

Aprendi muito da realidade Brasileira (de modo mais lato Latino-Americana), em questões como as trajectórias e as vicissitudes das democracias, a questão religiosa e a filosofia de vida da nova geração de adolescentes.


A propósito de convergências (nem de propósito) lia-se hoje no jornal "O Estado de S.Paulo" que num estudo semelhante ao HBSC ( http://www.hbsc.org/), incluindo 6308 alunos de todo o Brasil, que nas idades de 13 a 16 anos, 22.1% já tinham iniciado a sua vida sexual. Percentagem semelhante à portuguesa no estudo de HBSC 2006, para as mesmas idades ( http://www.aventurasocial.com/) . um quarto dos que responderam afirmativamente a esta questão, referiram uma idade de inicio de 14 anos. Enfim, nada de muito diferente!
Aqui como aí, os especialistas continuam a alertar os governantes para a necessidade de não negligenciar a educação sexual nas escolas.
Aqui como ai, esperamos que a mensagem não tarde a gerar mudança!

Na mesma página do jornal, numa outra noticia na área da saúde, lê-se que num outro estudo feito em 132 países, os brasileiros são os mais optimistas face ao futuro dos próximos 5 anos, embora menos bem classificados no optimismo face ao presente ( de Portugal não se fala).















Aqui S. Paulo visto do edificio Italia, imponente e idêntico a toda a volta, a partir deste 44 andar.















Na zona da Sé muitos sem abrigo, nesta zona central mas despovoada da cidade.














Pinacoteca de São Paulo : alunos das escolas a desenhar pelo chão!

Os museus não são só para ver, são também para viver e para voltar.

Além disso pagamos dois reais, menos de um euro!

Mais publicações da equipa:

Revista de Saúde Pública

Saiu mais uma publicação nossa na Revista de Saúde Publica 42 (4), aqui do Brasil:

Percepções de professores portugueses sobre educação sexual/ Perceptions of Portuguese teachers about sex education

Lúcia Ramiro;
Margarida Gaspar de Matos

Que está acessível nas bases SciELO Brasil e SciELO Saúde Pública.
http://www.sielo.br/
http://www.scielosp.br/

OBJECTIVE: To assess perceptions and attitudes regarding sex education among middle and high school teachers in Portugal.
METHODS: A study comprising 371 middle and high school teachers, both female and male, was conducted in Portugal in February and March 2006. Data was collected through snowball technique. The questionnaire was made up of two parts: the first collected data on demographics, career, religious background and training and experience in sex education; the second part presented three measures related to sex education, one assessed attitudes, another importance given to sex education, and the third the grade at which respondents believed sex education topics should be taught. The analysis of differences between gender, trained and untrained teachers in sex education, and experienced and non-experienced teachers in teaching sex education was carried out using ANOVA.
RESULTS: Overall, teachers showed a fairly straightforward attitude towards sex education and assessed it as moderately/highly important. Body image was found to be the only topic that should be introduced in the 5th and 6th grades. Female teachers [F(1;366)=7.772;p=.006], trained teachers [F(1;351)=8.030; p=.005] and experienced teachers in teaching sex education [F(1;356)=30.836;p=.000] showed a more positive attitude towards sex education (M=39.5; 40.4; 41.3; respectively). Only trained teachers assessed its teaching as highly important [F(1;351)=5.436;p=.020]; and female teachers believed it should be introduced earlier [F(1;370)=5.412;p=0.021].
CONCLUSIONS: In general, teachers favor sex education in school. The fact that most topics of sex education are only taught in the 5th-6th or 7th-9th grades may have serious consequences since sex education has to be introduced before students engage in sexual behaviors.
Keywords : Sex Education [manpower]; Teaching; Curriculum; Health Knowledge [Attitudes]; Health Knowledge [Practice].

Lúcia: Parabéns!

La Presse Medicale, Elsevier
Outro nosso artigo submetido a La Presse Medicale, Elsevier, foi também aceite.

Effet de l'activité physique sur l'anxiété et la dépression Effect of Physical Activity on anxiety and depression

Margarida Gaspar De Matos,
Luis Calmeiro,
David Da Fonseca, France

Les avantages de la pratique de l’activité physique sont maintenant reconnus tant du point de vue physiologique que du point de vue psychologique.
Il y a des études qui démontrent que l’activité physique est associée à une importante réduction des états dépressifs et anxieux, dans la populations générale comme dans des sous-groupes ayant un diagnostique psychiatrique d’anxiété ou de dépression.
Ces bénéfices de l’exercice physique peuvent s’expliquer par des processus physiologiques, biochimiques et psychologiques.
L’activité physique peut être considérée comme une aide thérapeutique aux approches psychothérapeutiques et pharmacologiques de la dépression et de l’anxiété.
Elle semble donc constituer un type de traitement non spécifique avec un réel potentiel psychothérapeutique qui a été jusqu’ici négligé.
Mots–clé: Activité Physique, Dépression, Anxiété, Santé Mentale

Luis e David : Parabéns !